23.4.12

Um livro (diferente:) sobre Paris

  Paris A Festa Continuou 
 
 
 
 
 
 1940-44, a festa continuou em cabarés, teatros e em um super aquecido mercado de arte. Paris ainda continuou a ser um farol cultural, escritores lá foram reverenciados como em nenhum lugar do mundo. Faço um resumo: embora arrasada militarmente, em Paris, tudo fervilhava, impulsionada pelos alemães. O teatro com Sacha Guitry, o balé com Serge Lifar na Ópera de Paris, o cinema com Danielle Darieux, a arte com a reabertura do Carnavalet, as pinturas com as mostras de Monet na Orangerie, as esculturas no Louvre , as editoras com nomes arianizados (!:).
 Recomendo esse livro da Cia das Letras que nos localiza quanto à artistas como Chaim Soutine, que foi deportado, e nos mostra que, se personalidades como Edith Piaf ajudaram  a esconder judeus, outras como Coco Chanel tiveram sua reputação  definitivamente arranhada.
Leio que a romancista Irène Nemirovski foi incrivelmente corajosa quando recebeu o seu mandato de prisão, e felizmente sua filha Elizabeth conseguiu publicar seu relato de guerra, a Suite Francesa, 62 anos depois. 
Difícil tarefa essa do autor, Alan Riding, em vasculhar o passado, já que se pode perdoar os artistas por terem se calado por medo, ou colaborado em nome de sua sobrevivência. Esse livro é corajoso em seu âmbito, não o de denunciar, mas o de informar. Não há como os protagonistas serem julgados, já que a maioria não vive mais.   
Descreve o período das trevas que é o nazismo, primordial, já que pesquisas recentes mostram que grande parte da população mundial de hoje nunca ouviu falar em holocausto. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Featured Post

Jeans, cut it

Continuam na moda os jeans cada vez mais cortados e rasgados , são peças constantes nesse verão